Amor & Poesia: Estórias do Vovô

amor-e-poesia-estorias-do-vovo-aristides-candido-euzebio-editora-soares

 

Estas poesias escritas por Aristides, nasceram no seu cotidiano simples, sob um sentimento poético em suas observações, seja como Cristão, como patriarca de família numerosa, como filho, irmão, amigo, etc; seja nas teclas de um telégrafo (trabalhador ferroviário), e sua incansável busca pelo saber como estudioso e autodidata que é!

Sempre que pensamos em meu pai, já o vemos com a Bíblia, um livro, revista, agora note book, buscando conhecimento, uma mente privilegiada, e vendo seu histórico desde menino simples nascido em Leandro Ferreira (tendo meus avós Antônio Euzebio e Dionízia saído da área rural, em busca de estudos para os filhos), foram muitas conquistas, entre elas a esposa e musa inspiradora Joana Darc (filha de Inezília Bernardes e Geraldo Fonseca), a quem conheceu em Lagoa da Prata, acrescentando lhes o Senhor, filhos e netos, e também genros e noras.

E toda esta caminhada tem sido feita sem deixar de lado a intimidade com as palavras, um pouco disto está registrado nestes poemas.

“Soli Deo Gloria”

“Lutar com as palavras é a luta mais vã. Entretanto lutamos mal rompe a manhã” (Carlos Drumond de Andrade)

Categorias:

Tags:

Formato Impresso:

14 x 21 cm

Quantidade de Páginas:

44

Obra Ilustrada:

Sim

ISBN:

978-85-92546-54-0

Autor(a):

Aristides Candido Euzebio

Sobre o Autor(a):

Nascido em Leandro Ferreira, MG, em 20 de junho de 1.938 de Dionísia Teixeira de Faria e Antônio Cândido Euzébio o autor vivenciou experiências e trajetória de vida muito ricas. Acompanhou as mudanças da família por várias turmas da antiga Estrada de Ferro Oeste de Minas e Rede Mineira de Viação. Aluno brilhante aprendeu as primeiras letras e concluiu o grupo em Mateus Leme com nota 10, um período guardado com muito carinho na memória. Adolescente alargou seus horizontes quando foi aprendiz do Tio Dimas na construção da Fernão Dias. Na juventude aprendeu o telégrafo enquanto servia o Exército Brasileiro em Ouro Preto e, autodidata - não podia ver papel no chão que pegava pra ler, aprendeu inglês ouvindo as rádios BBC e Voz da América em pleno auge da Guerra Fria. A conquista de emprego, por concurso, na Rede Ferroviária Federal o levou a Lagoa da Prata onde conheceu e se casou com sua fiel e leal companheira, Joana D'arc, a Dadac. Fixaram em Divinópolis para criar seus onze filhos cuja educação sempre foi prioritária de forma que todos se graduaram em nível superior. O autor seguiu com os estudos até realizar o sonho de se tornar advogado. Formou-se depois em Teologia e, grande estudioso e seguidor da Bíblia, foi consagrado Pastor. Uma história riquíssima com reflexo em belos poemas que, adormecidos nas gavetas, foram resgatados pelos filhos e agora repartidos amorosamente com os familiares e amigos.

Estado:

MG